logo IMeN

Gastronomia Hospitalar versus Gastronomia Hospitalar Cultural

Dr. Daniel Magnoni
Dr. Celso Cukier

A Gastronomia Hospitalar adquire especial importância nos dias atuais, motivada pela crescente necessidade das instituições de saúde em expandir os serviços auxiliares à terapêutica curativa instituída.
Atualmente os pacientes procuram as unidades hospitalares por indicação do medico assistente, alicerçados em listas referenciais de seguros e/ou convênios.
As informações positivas acerca do tratamento instituído pela equipe medica, novos equipamentos e serviços de suporte podem influir na maior ocupação de leitos, por opção individual dos pacientes, em determinadas instituições.
No entanto o grande erro dos hospitais que tentam incrementar serviços sofisticados de gastronomia, reside na exclusão da importante relação entre a alimentação oferecida e as características sócio culturais dos pacientes.
O médico Daniel Magnoni, Cardiologista e Nutrólogo, presidente da Sociedade Brasileira de Nutrição Clínica, em recente conferencia sobre Gastronomia Hospitalar, na Feira ABIA FOOD SERVICE, demonstrou que a relação positiva entre internação hospitalar e sofisticação da alimentação transcende a simples instituição da Gastronomia Hospitalar.
A solução reside na intersecção de cuidados especiais de sofisticação na elaboração do cardápio, com observação de peculiaridades individuais de cada paciente.
Como exemplo clássico cita o assombro da equipe de nutrição frente a inapetência de um senhor idoso de origem nipônica confrontado a um saboroso fetuchini aos quatros queijos, nesse caso, ressalta, seria extremamente saudável a oferta de um magnifico prato de sushis e sashimis, que pode, muito bem, ser executado com os rigores dietoterápicos hospitalares.
A competição entre as unidades hospitalares, pela ocupação de leitos, não será ganha por aquela que mais investir em grandes chefes ou pratos sofisticados.
Existe uma fragrante dicotomia entre técnicas de administração hospitalar que apregoam, inclusive na mídia, o incremento de qualidade nutricional dos hospitais, baseado na contratação de grande chefes e na execução de cardápios sofisticados. O paciente não procura sofisticação no cardápio, procura a unidade de atenção à saúde para atenuar a dor ou tratar doenças. Nesse universo de atendimento médico e atenção à saúde o cardápio incorpora momentos de "bem viver". A relação positiva entre o momento de alimentação e a realidade individual do mundo extra hospital pode promover ações sinérgicas ao tratamento. O valor de uma alimentação semelhante ao dia a dia de cada indivíduo, retornando-o ao seu mundo, pode minimizar o sofrimento e alicerçar bases positivas à terapêutiuca
O sucesso esta na humanização dos cardápios, na integração de trabalho em equipe, executado pelos profissionais que ouvem as informações dos pacientes e as traduzem para as equipes de apoio.
As pesquisas de opinião e o conhecimento individualizado dos clientes (pacientes), executados desde o momento da internação, podem decidir o embate pela ocupação de leitos. No momento da internação hospitalar a anamnese bem executada identifica, necessidades e preferencias.
O hospital que atuar sinérgicamente, na transformação do quarto de internação no prolongamento do lar, diminuindo a sensação de sofrimento e abandono social, poderá permitir aos paciente melhores condições de convalescença e recebera em troca maior eficiência de serviços.

trans 
Get Adobe Flash player

IMeN - Instituto de Metabolismo e Nutrição
Rua Abílio Soares, 233 cj 53 • São Paulo • SP • Fone: (11) 3287-1800 • 3253-2966 • imen@nutricaoclinica.com.br