logo IMeN

PNC - Análise comparativa das medidas das circunferências dos pacientes cardiopatas em duas posições: deitados e em pé

Análise comparativa das medidas das circunferências dos pacientes cardiopatas em duas posições: deitados e em pé

SOARES, AMNGF; OLIVEIRA, DC; LAMEZA, LBS; PLATA, RG; BORBA, LG; SANTOS, MJ.

Instituição: Instituto Dante Pazzanese De Cardiologia

Email: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Introdução: Os indicadores antropométricos de obesidade têm sido bastante utilizados como instrumento de triagem para identificar risco coronariano elevado (RCE). Os mais utilizados são: índice de massa corporal (IMC), representando a obesidade generalizada, razão circunferência cintura quadril, circunferência de cintura representando a obesidade central. De modo geral, os indicadores de obesidade central têm apresentado maior poder para detectar o alto risco coronariano. O estudo verificou uma correlação entre as medidas das circunferências abdominal, quadril e cintura com os pacientes deitados, comparado aos dados em pé. Objetivos - Estabelecer risco cardiovascular em pacientes internados - qual a relação entre as medidas de circunferência horizontal e circunferência vertical. Metodologia - Foram obtidas as medidas da circunferência da cintura (CC), do abdômen (CA) e do quadril (CQ) de 17 pacientes cardiopatas, maiores de 18 anos. As medidas foram realizadas com o indivíduo em pé e deitado. As medidas foram obtidas através do uso de fita antropométrica, e cada medida foi aferida três vezes. Resultados - Na relação cintura/quadril, observou-se que 25% das mulheres apresentaram risco quando medidas deitadas, modificando-se quando a medida foi realizada em pé e 33,3% dos homens apresentaram risco nas medidas deitados, e ao serem medidos em pé, esse risco desapareceu. A diferença mais significante esta nos pacientes obesos. Nas medidas da circunferência abdominal, 66,6% dos homens apresentaram a medida deitada menor que a medida em pé. Já as mulheres, apenas 25% apresentaram a medida deitada menor que a medida em pé. Segundo a referência, não houve alteração. Conclusões - Para definirmos um parâmetro de referência, será necessário atingir um numero maior de avaliados, ficou evidente a diferença entre as duas medidas e a necessidade de estabelecermos parâmetros para serem utilizados nos pacientes que não têm condições de se levantar. Atualmente não são consideradas as diferenças que ambas apresentam.
trans 
Get Adobe Flash player

IMeN - Instituto de Metabolismo e Nutrição
Rua Abílio Soares, 233 cj 53 • São Paulo • SP • Fone: (11) 3287-1800 • 3253-2966 • imen@nutricaoclinica.com.br