logo IMeN

Antioxidantes Nutricionais - Considerações finais

A grande maioria dos estudos randomizados e controlados que utilizaram suplementação de antioxidantes em altas doses falharam em demonstrar efeito positivo na prevenção de doenças e principalmente no tratamento de doenças já estabelecidas em indivíduos de alto risco, indicando principalmente que a ingestão de antioxidantes de modo isolado não é capaz de exercer papel terapêutico. Entretanto, a dieta alimentar, continua sendo uma das principais intervenções para prevenir e tratar doenças metabólicas e cardiovasculares 75 .

Além da redução de gorduras saturadas, a inclusão de alimentos integrais, frutas e grãos tem demonstrado eficácia na redução de riscos metabólicos como resistência a insulina e diabetes 76 . Durante o processo de refinamento dos cereais e grãos (trigo, milho, soja, arroz) é retirada a película de fibra e gérmen, levando a depleção de vários nutrientes e constituintes biologicamente ativos incluindo fibras, antioxidantes, minerais e fitoestrógenos. Quando esses alimentos são consumidos o mais próximo possível da sua forma natural, com a fibra e o gérmen presentes, em alimentos como cereais matinais integrais, pães integrais, arroz integral entre outros, seus nutrientes e outros constituintes podem agir sinergicamente na redução do risco de doenças crônicas, inclusive diabetes tipo II e doenças cardiovasculares 77,78 .

De modo contemporâneo, o estudo francês SUVIMAX (Supplementation en Vitamines et Mineraux AntioXydants) 79 teve como principal objetivo estabelecer uma relação causal entre a baixa ingestão de antioxidantes e a incidência de câncer e doenças cardiovasculares. Trata-se de um estudo epidemiológico longitudinal baseado em um ensaio randomizado, controlado e duplo cego, conduzido com 13017 indivíduos saudáveis (7886 mulheres entre 35 e 60 anos e 5141 homens entre 45 e 60 anos) nos quais o impacto da ingestão diária de antioxidantes em “doses alimentares” e não terapêuticas foram observadas por oito anos. A composição do suplemento em estudo foi: 6 mg de beta caroteno; 120mg de vitamina C; 30mg de vitamina E; 100 m g de selênio e 20mg de zinco.

Resultados preliminares demonstraram a redução de 31% do risco de câncer em homens que receberam antioxidantes. Entretanto, não foi observado efeito significativo da intervenção com antioxidantes no risco cardiovascular em ambos os sexos.

De modo interessante, o estudo mostrou nenhum efeito notável na prevalência de câncer e doenças cardiovasculares em mulheres, provavelmente por elas naturalmente consumirem maiores quantidades de frutas e vegetais que os homens. As doses de antioxidantes testados no estudo SUVIMAX poderiam ser atingidas pelo consumo de 5 porções de frutas e vegetais por dia e pela inclusão de cereais e grãos integrais e óleos vegetais que geralmente apresentam alto teor de vitamina E.

trans 
Get Adobe Flash player

IMeN - Instituto de Metabolismo e Nutrição
Rua Abílio Soares, 233 cj 53 • São Paulo • SP • Fone: (11) 3287-1800 • 3253-2966 • administracao@nutricaoclinica.com.br